Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

A TROCA DA PROTEÇÃO AO TRABALHO ESCRAVO, PELA CONTINUAÇÃO DA ROUBALHEIRA
E DA CORRUPÇÃO

HELIO FERNANDES

É impossível prever até onde Temer chegará para se manter no poder até 31 de dezembro de 2018. Mas é facílimo constatar as concessões que vem fazendo desde que se promoveu de vice a  presidente, através de usurpações e conspirações.

E o excesso e o ilimitado que vem atingindo, desde que se mantenha nessa  maquina de bandalheira, que maneja autoritária,  mas tranquilamente. Exatamente ha 17 meses, desde 12 de maio de 2016.

Com 3% de popularidade nas mais diversas pesquisas, Temer e Meirelles mentem despudoradamente a respeito da situação nacional. Temer para chegar a 2018. Meirelles para continuar ou recomeçar daí.

Em matéria de despudor, falta de escrúpulos e de caráter, acrescido da paixão e obsessão pela roubalheira e a corrupção, imaginei que o AINDA presidente tivesse chegado ao máximo. Pelo conhecimento que tenho de sua vida, e dos dados autobiográficos, acreditei que tivesse atingido  o limite do enriquecimento.

ERREI completamente. E me espanto que tenha protegido todas as formas de escravidão, excetuada uma: o cárcere privado. Todo o resto que foi banido do mundo ha mais de 100 anos, f oi reintroduzido e legalizado pela portaria de Temer.

Isso mesmo: ele recuou ou retrocedeu mais de 100 anos em matéria de direitos humanos e trabalhistas, sem consultar ninguém.

Recebeu a cúpula do Partido Ruralista, que fez a proposta do acordo.Temer concedia toda a barbaridade,crueldade degradante que está na portaria. Em compensação, sua bancada de 150 deputados, apoiaria integralmente o governo.

PS- Fiquem tranquilos, essa portaria não entrará em vigor, nem se transformará em fato.

PS2- Com a maior velocidade, a Procuradora Geral da Republica pediu ao governo que anule a portaria.

PS3- Se o governo não anular, a PGR entrará  em ação.r
NUZMAN EM LIBERDADE

Foi preso por uma acusação: provada e comprovada. Surgiram outras denúncias, diversas. A inicial resistiu ampliada pelo COI, que o suspendeu por  corrupção alta, para que a Olimpíada fosse no Brasil. Confessou que tem na Suiça, 16 barras de ouro.

O Banco confirmou sua confissão, só não deu o valor nem a data do depósito. Mas uma coisa é clara: Nuzman jamais trabalhou, deveria explicar a origem do dinheiro com o qual comprou essas valiosas barras de ouro. Essa, a compra da Olimpíada, foi a primeira acusação pela qual foi acusado pelo COB e pelo COI, e consequentemente preso. 

Na quarta feira, uma notícia, auspiciosa, que o envolvia nos escândalos protagonizados por Sergio Cabral. Ficou a impressão que sua situação se agravara, e rapidamente sua prisão preventiva, ou seja, sem prazo determinado, teria ficado bastante ameaçada.  

Na quinta feira, sem explicação ou justificação, entrou com o HC no STJ, no mesmo dia foi despachado, autorizada a sua libertação, e já foi dormir em casa.

Muitos esperavam que mesmo sem condenação ele estivesse a caminho da Papuda, como aconteceu com Geddel Vieira Lima. 


PS: A Justiça brasileira é realmente irrefutável, irrevogável, irresponsável.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

LEMBRANDO SOBRAL PINTO, A DIGNIDADE, RESPEITABILIDADE, CREDIDIBILIDADE

HELIO FERNANDES

Nestes tempos em que um presidente ocupa o poder, conquistado pela usurpação da conspiração. E usa seu tempo se defendendo de acusações de corrupção, bandalheiras e ladroagens (foi chamado de ladrão por um dos maiores bandidos), 30 senadores e 120 deputados são atropelados pela justiça. Um senador é absolvido não por corporativismo, mas pelo medo dos julgadores (?) de que aconteça o mesmo com eles, esquecem completamente desse advogado inimitável que estaria completando 125 anos

O único que  defendeu presos políticos em duas ditaduras. No "Estado Novo" (de 1937 a 45) e no golpe de 1964 a 1985. Jamais cobrou honorários, a mulher implorava, "cobre alguma coisa, a geladeira está vazia, não temos nada".

Começou como juiz, achou que não podia julgar ninguém, passou a advogado. Ainda teve tempo de atender pedido de Dona Eliana, mãe do Tenente Eduardo Gomes, depois brigadeiro e duas vezes candidato a presidente da Republica. Indicado para defender Prestes, foi recusado pelo próprio: "Esse advogado conservador vai dobrar minha pena".

Dona Eliana conseguiu autorização para visitar Prestes, contou a ele quem era Sobral Pinto Prestes aceitou, ficaram amigos inseparáveis. Um dia escrevi: "Prestes foi um dos brasileiros mais torturados". Escreveu uma de suas famosas cartas, esclarecendo: "O mais torturado de todos foi Harry Berger, que enlouqueceu na prisão". 

No dia 9 de  abril de 64, posse de Castelo Branco, mandou carta a ele, esperando que fizesse um grande governo. Alertado que se torturava no Brasil inteiro, no dia 28 do mesmo mês mandou outra carta a Castelo, nestes termos: "O senhor não é presidente, deve reassumir seu cargo de Chefe do Estado Maior do Exercito". Castelo fez tudo para ter um encontro com Sobral, não conseguiu. Sobral era homem de convicções.

Podia escrever o dia todo sobre o grande advogado, sem citar as vezes em que me defendeu. Mas vou terminar com a defesa  que fez de outro jornalista, mostrando sua coragem, determinação, desprendimento. Os generais torturadores gostavam de enquadrar civis na justiça militar.

Sobral foi defender o jornalista numa circunscrição militar. Depois de esperar mais de 1 hora, o major presidente apontou para o advogado, "pode defender seu cliente". Aconteceu o seguinte contado pelo meu amigo jornalista. Sobral respondeu: "O senhor é idiota ou não sabe ler? Acima da sua cabeça, está escrito, Vara Militar, o senhor está vendo meu cliente fardado?".

O major alertou,  o senhor está perto do insulto, "mais uma palavra, mando prendê-lo"
.
Sobral começou a falar, o major tocou uma campainha, apareceu um sargento, o major estrebuchou: "Recolha o  doutor Sobral". Foi um escândalo. Durante um dia e uma noite ninguém encontrou o advogado. Até  que foi achado numa delegacia desativada do Castelo. 

Em 1979, com a volta dos exilados, Sobral com 87 anos, estava no aeroporto para receber seu amigo Prestes

PS- Hoje, Sobral não teria clientes: não defendia CORRUPTOS. Mesmo falsos presidentes.

A invasão holandesa deixou traços administrativos positivos no Rio e em Pernambuco. Mas em matéria de violência, ultrapassaram todos os limites, chegando ao ponto do massacre, repetido, lá e aqui.  

A própria Igreja Católica se revoltou, e iniciou um processo de canonização- martirização, que começou em 1645 e terminou agora, 372 anos depois.

O Papa Francisco não tem a menor culpa. Mas o Departamento de Canonização do Vaticano é mais lento do que o Supremo Tribunal Federal do Brasil.

30 SANTOS-MARTIRES PARA O BRASIL

A invasão holandesa, deixou traços administrativos positivos no Rio e em Pernambuco. Mas em matéria de violência, ultrapassaram todos os limites, chegando ao ponto do massacre, repetido, lá e aqui.  

A própria Igreja Católica se revoltou, e iniciou um processo de canonização- martirização, que começou em 1645 e terminou agora, 372 anos depois.

O Papa Francisco não tem a menor culpa. Mas o Departamento de Canonização do Vaticano é mais lento do que o Supremo Tribunal Federal do Brasil.

O MISTÉRIO DA TV REPETITIVA

Ninguém consegue explicar  a razão das TVs "quebrarem" suas programações para transmitir a leitura e o "debate" sem o menor interesse ou atração. Isso nas TVs abertas ou pagas, todas. Desculpe, com exceção do canal do Silvio Santos.

Isso começou na "conspiração parlamentar" que levou Temer ao poder e Cunha á prisão e ao ostracismo total. E continua. Na terça e quarta, começando bem cedo e acabando bem tarde. Um falatório tolo e idiota, discursos em cima de discursos, que saudades do legislativo  da antiga capital, mesmo sem televisão.

AS TVs, principalmente por assinatura, estão em crise, com queda acentuada de audiência. Por 3 motivos principais. 

1- Preços altíssimos, os mais caros da America Latina. 

2- Repetição, em 3 ou 4 horários fixos, dos mesmos assuntos.

3- Programação péssima, chatíssima, sem nenhuma atração. 




terça-feira, 17 de outubro de 2017

TEMER NÃO ABANDONA MANCHETES NEGATIVAS, TENTA, SEM SUCESSO, FUGIR DA CONSTATAÇÃO DA CORRUPÇÂO

HELIO FERNANDES

Alem dos fatos conclusivos e pejorativos, não se satisfaz, caminha sem constrangimento, pelo ridículo, burlesco, farsantes, como a carta que enviou aos 513 deputados e 81 senadores. (Uma trabalheira de redação para Moreira Franco, que tem que se defender com ele, na segunda denuncia).

Essa carta foi entregue aos parlamentares na véspera da sessão da CCJ. È lamento puro, exibição de sentimentos falsos, na tentativa de convencer aos que votarão, "sou vitima de perseguição e conspiração dos que pretendem me derrubar da presidência". Ele não redige, mas atrapalha os que executam esse trabalho.

O redator não queria usar a palavra conspiração, base da sua união com Eduardo Cunha, ponto de partida e chegada, e da promoção de vice a presidente com todas as aspas possíveis e imagináveis. E não por acaso ou coincidência e sim por obsessão, o impeachment de Dona Dilma, começou também com uma carta

A sessão da CCJ completou exatas 6 horas de discursos vazios ou comprados. E ninguém tem a menor ideia até que horas irá. Ou se dará tempo para  o relator ler seu exaustivo trabalho,  complementando com a votação.

Não tem a menor importância, terminarão amanhã.  Hoje, Temer divide as atenções com outro fato importantissimo: o julgamento  de Aécio Neves no Senado. Também inconclusivo no tempo  e na decisão.  

Temer finge que luta para salvar o mandato de Aécio. Mas contraditoriamente, afirma: "Não tenho  nada com esse fato, é exclusivo do Legislativo".

A INDECISÃO SOBRE O FUTURO DE AECIO

Exatamente ás 17 horas, o presidente Eunicio abria a sessão para julgamento do que foi decidido pelo Supremo no dia 1. Mas desde as 9 da manhã, quase 40 senadores discutiam o assunto nos bastidores. Alem do mérito, contra ou a favor do senador de Minas, havia grande duvida: dará tempo para o julgamento ou será necessária prorrogação?

E não é só o tempo que pode  exigir prorrogação. Os números podem ser influentes. Para que haja placar vitorioso, é preciso que anuncie 41 votos para um lado ou para outro. Se esse número 41 não aparecer, será indispensável nova sessão. 9 senadores estão em viagem oficial, e 3 comunicaram que não comparecerão.

Portanto, terão que juntar 41 de 69 e não de 81. Mais difícil. Considero que vai depender do tempo que os senadores usem da palavra. O resto é mais fácil. Não haverá "orientação das bancadas", o voto será pelo painel, 1 ou 2 minutos.

PS- Levaram 2 horas e 15 minutos votando. Mas aí começou outra trajetória, a do exibicionismo.

PS2-  Em vez de revelarem o resultado, começaram um falatório disparatado, apenas para aparecer.

PS3-  Começou com o impoluto Renan Calheiros, satisfeitissimo. Há 10 anos responde a 9 acusações  e jamais foi julgado. E se orgulha disso.

PS4- Muitos que espalhafatosamente que se apresentavam como julgadores, já deviam ter sido julgados e condenados.

PS5- Finalmente  proclamado o resultado. Votaram 71 senadores, 44 a favor da imunidade  e impunidade de Aécio Neves. Nada surpreendente.


saga dos juízes e a sociedade olvidada
(...) “Sem afagos e meias palavras a comunidade brasileira tem manifestado indignação com a morosidade 
e o trato do judiciário com a advocacia e os demandantes”.
ROBERTO MONTEIRO PINHO                              
O Poder Judiciário e o Ministério Público se declaram ameaçados pelo Congresso Nacional e o governo federal. E acusam o poder executivo e legislativo de que tentam fragilizar a independência da magistratura e dos promotores, desvalorizando suas carreiras. Para se opor a essa apontada retaliação.
Em reação, juízes, promotores e procuradores de justiça realizaram em outubro de 2016 um ato público para expor a situação e pedir apoio da sociedade. Na oportunidade os juízes apontaram a existência de projetos danosos às suas ações e carreiras e boicote legislativo de matérias de seu interesse pelo Congresso e Executivo. Citam entre outros o PL nº 280/2016 (do abuso de autoridade), que tenta “acabar com a liberdade de investigar e aplicar a lei”.
Abuso de autoridade - Ocorre que o PL do abuso de autoridade está estacionado na Câmara dos Deputados. O projeto prevê perda de cargo e de indenização aos agentes alcançados pela lei. Entre as medidas criticadas estão a PEC nº 241/2016, que limita os gastos públicos por pelo menos 20 anos.
Sem afagos e meias palavras a comunidade brasileira tem manifestado indignação com a morosidade e o trato do judiciário com a advocacia e os demandantes. O cerne da questão é a morosidade, e o excesso de vantagens auferidas aos magistrados e a liberdade nas ações de juízes, quando tomam decisões que criam lesão a uma das partes do processo.
A nova influência dos juízes desabrochou no Brasil com a Constituição de 1988, que introduziu uma série de garantias fundamentais a que se pode recorrer nos tribunais para ir além do que está na lei. O Poder Judiciário sempre teve uma postura diferenciada e reservada em relação à sociedade e ao Poder Legislativo e Executivo. O Judiciário manteve-se distante, fechado, o que culminou com o afastamento do jurisdicionado e o desconhecimento de sua atuação pela sociedade. Em razão da cobiça, e a busca por vantagens pecuniária, os juízes intensificaram o lobby o legislativo. A proximidade e intimidade de ministros do STF aguçaram ainda mais a impetuosidade e por isso os juízes se acham impunes (e são), por conta do forte enlace com as autoridades.
Blindagem - Há quem entenda (e não são poucos), os atores que sem possibilidade de punir, os erros e abusos vão continuar ocorrendo. Eu particularmente compartilho ipisis litteris deste pensamento. Bem lembrado, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) já aprovou uma resolução normatizando a política de conciliação e mediação na Justiça do Trabalho.
A medida limita a atuação dos conciliadores e mediadores aos quadros da Justiça do Trabalho. Prevê também a supervisão (tuteladora e desapropriada) dos magistrados às sessões de conciliação e mediação, bem como a limitação de que os conciliadores e mediadores não sejam pessoas externas do Poder Judiciário.
Servidores assinando por ordem dos juízes - Na realidade os juízes querem ficar isolados na justiça. Eis que através de um Ato Administrativo, permitem que servidores de sua jurisdição assinem eletronicamente sentenças e despachos importantes. Em muitos casos esses despachos e até sentenças são elaboradas pelo próprio servidor.
Um dos sinais latentes de que existe essa prática, se consiste na foto de que as serventias são isoladas através de enormes balcões. Assim evitam que ao advogado presencie essa pratica.
O assunto é da maior gravidade e devia ser apurado pelo CNJ, mas não o faz, eis que estão cooptados pelo lobby dois juízes. Da mesma forma que as ações correcionais contra magistrados ficam engavetadas e do total, apenas 2% são analisadas.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

MAIA ARREPENDIDO DE NÃO TER FATIADO A DENÚNCIA CONTRA TEMER

HELIO FERNANDES

A primeira  denuncia foi isolada, não cabia fatiamento. E o clima entre o presidente da Republica e o da Câmara, estava longe da hostilidade a que chegou. A segunda permitia o fatiamento. Mas o presidente apressadamente garantiu que não haveria.

Se a denuncia incluisse outro ministro não "familiar" como Moreira Franco, Maia teria sido mais contido e comedido. Agora não dá para  mudar, embora tudo indique que a vontade de derrotar Temer se avolumou bastante. Sem falar que o favorecido imediato, com o afastamento de Temer, seja o próprio Rodrigo Maia.

Muitos deputados constrangidos em "salvarem" Moreira e Eliseu, pedem a Maia, que imponha o fatiamento. A legislação permite até 72  horas antes da votação. Sem exceção, garantem: "Votaremos pela aceitação da denuncia contra Temer".

O clima de hostilidade Temer-Maia, saiu do esconderijo, passou a ser ostensivo. Primeiro o advogado, depois o próprio Temer: "O vazamento da delação do doleiro Funaro foi CRIMINOSO".

Como os dois dirigiam a acusação contra a Câmara, embora não pessoalmente atingindo Maia, este incisivo e sem hesitação, veio a publico: "Os funcionários da Câmara entrarão na Justiça contra o advogado do presidente".

Mais claro, impossível. Surpreendente a inatividade Maia no assunto. A segunda denuncia está custando mais clara, com o dinheiro  do contribuinte. Possibilidade de chegar aos 342 votos fatais a Temer, só com a colaboração do presidente da Câmara. Incompreensível e inexplicável, que Maia se mantenha distante.

30 SANTOS-MARTIRES PARA O BRASIL

A invasão holandesa, deixou traços administrativos positivos no Rio e em Pernambuco. Mas em matéria de violência, ultrapassaram todos os limites, chegando ao ponto do massacre, repetido, lá e aqui.  

A própria Igreja Católica se revoltou, e iniciou um processo de canonização- martirização, que começou em 1645 e terminou agora, 372 anos depois.

O Papa Francisco não tem a menor culpa. Mas o Departamento de Canonização do Vaticano, é mais lento do que o Supremo Tribunal Federal do Brasil.

A OAB E NUZMAN

O órgão máximo dos advogados, anunciou: "Estamos estudando a possibilidade de cassar o registro e o diploma do ex-presidente do COB, Carlos  Nuzman". Não é caso de estudo e sim de ação efetiva e urgente.

Se as denuncias se restringissem á corrupção no caso da sede da Olimpíada, se justificaria o estudo.Mas as acusações vão se concretizando e aumentando.O banco da Suíça confirmou que ele tem, lá, 16  barras de ouro, sem origem, jamais trabalhou.

Comprou um prédio na rua do Livramento (antiga sede do Jornal do Comercio) por 12 milhões, pagos pelo COB, mas de sua propriedade.Fora os honorários de 5 milhões e meio do contrato de defesa, enviados ao COB, que não pagou.

A OAB não precisa ficar com  a sensação da injustiça. Nuzman, que jamais advogou, ficará tanto tempo na Papuda, que não precisará mais do diploma.

O JULGAMENTO DE AÉCIO, TALVEZ OCORRA HOJE

A dúvida e incerteza, por causa de uma possível prorrogação. Se os senadores, depois de uma tumultuada sessão de 13 horas, não sabem nada, imaginem os senadores, tendo que interpretar, o que os próprios ministros não conseguiam.

Dos 11 ministros, apenas 2 sabiam como votaram. Fachin, o relator, que desbastava o caminho para os outros. E Celso de Mello, que sabia tanto que deu para ensinar a própria presidente,  que nem guiada pelo decano, conseguiu encontrar o caminho de casa.

Na identificação dos votos, Carmen Lucia, nessa desastrosa quarta feira, explicou afirmativamente. Votei integralmente com o relator. Este, delicadamente, explicou. Acompanhou num item, votou contra nos outros cinco. Carmen Lucia ficou estarrecida.

PS- Outra grande duvida? Voto ABERTO ou FECHADO. Os que pretendem se esconder,  querem o voto secreto, como manda a Constituição. Os que votam por convicção,  querem o nominal.

PS2-  A sessão vai ser iniciada, e tudo [e incerto e desconhecido.


BRASILEIROS DECLARAM QUE DENUNCIARIAM PROPINA. AGENTES PÚBLICOS SÃO PROPINEIROS POR CULTURA. CARMEN LÚCIA QUEM DIRIA, DERRAPOU. VOTO DA MINISTRA TIROU STF DO SUFOCO. UM VOTO NO SENADO PODE DECIDIR O FUTURO DE AÉCIO. SENADORES CONTABILIZAM 42 VOTOS PARA AÉCIO

ROBERTO MONTEIRO PINHO

Pesquisa da Transparência Internacional, divulgada esta semana, ouviu 22.302 pessoas com idades a partir de 16 anos, em 20 países. A margem de erro é de 2,8% e o nível de confiança, 95%. A pesquisa revelou que 11% dos brasileiros assumiram “pagar propina para ter acesso a serviços públicos, como saúde, educação, serviço de polícia ou emissão de documentos”.

O resultado coloca o Brasil com o segundo menor índice da América Latina e Caribe, atrás apenas de Trinidad e Tobago, onde 6% admitiram pagamento de propina.

Apesar dos números, 81% dos entrevistados brasileiros disseram que, se presenciassem um ato de corrupção, estariam dispostos a denunciá-lo. Entre maio e junho de 2016, período em que a Transparência Internacional ouviu entrevistados do país, 78% achavam que a corrupção tinha aumentado nos 12 meses anteriores.

Se a corrupção galopa e açoda o povo brasileiro, a mais alta corte do país o STF acaba de acrescentar ainda mais esse veneno na veia do brasileiro, sendo protagonista das mais inescrupulosas e surpreendentes decisões, nos processos que envolvem políticos.

No dia 10 de outubro o Supremo revelou mais uma das suas facetas. A festejada ministra Cármen Lúcia mostrou que de escorreita e pura não têm nada. Tão mortal quanto aos demais membros da Corte. Ao votar deixou nítido que levou o voto pronto. Começou dizendo que “imunidade não é sinônimo de impunidade” e que acompanharia “em quase tudo o voto do relator Edson Fachin”.

A decisão por 6 a 5 empurrou o destino de Aécio no colo do Senado. Foi um relato confuso com muitas folhas impressas. Um voto mal redigido, sem consistência, talvez elaborado pela equipe, sem que ela lesse o texto antes de ir a plenário. Para eu que já integrei Turma em Tribunal Superior, o fato não me é estranho, essa tem sido a pratica constante, num judiciário que navega em “águas turvas”.

Esse modelão tupiniquim da mais alta Corte do país é uma réplica grosseira da série “Jogos Vorazes”, onde por mais que sejam os resultados pontuais, no final a mocinha sempre vence. Nesse caso a corja política que se vale da moeda do “favor” do legislativo que constantemente, concede os pleitos do lobby da magistratura naquela casa legislativa.

A saga do corporativismo se estende agira ao Senado Federal. Os senadores intensificaram a articulação por uma votação secreta para deliberar sobre as medidas cautelares e o afastamento impostos ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). O objetivo é diminuir o desgaste de senadores que pretendem reverter a suspensão das funções parlamentares do tucano.

Há muito se discute a maldição do “voto secreto”. Não pouco os votos por procuração, como é o caso das eleições que transcorrem nas Amatras (leia-se Justiça do Trabalho), onde juízes elegem seus dirigentes classistas através de procuração.

De fato o regimento interno do Senado prevê votação secreta para deliberação sobre prisão de parlamentar.
No entanto a doce Constituição Federal, não diz que modelo deve ser adotado. Ou seja, apensar de seu imenso e precioso (entre aspas) texto até 2001, o artigo 53 estabelecia votação secreta - a expressão foi suprimida pela Emenda Constitucional 35.
Bem lembrado em novembro de 2015 no caso da prisão do senador cassado Delcídio Amaral (sem partido-MS), o então presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tentou realizar a votação de forma sigilosa. Parlamentares, no entanto, reagiram e entraram com um mandado de segurança contra a iniciativa.
O pedido foi deferido pelo ministro Edson Fachin com base na Emenda Constitucional 35. "Não havendo menção no art. 53, § 2.º, da Constituição, à natureza secreta da deliberação ali estabelecida, há de prevalecer o princípio democrático que impõe a indicação nominal do voto dos representantes do povo".
Não se pode duvidar de que o no caso do senador Aécio Neves, o formato seja o preferido pelo próprio parlamentar.

Não muito poderoso, no entanto articulado e por contar com a simpatia de muitos colegas, Aécio, da mesma forma que venceu no STF, vencerá também no Senado Federal.



domingo, 15 de outubro de 2017

A  DETURPAÇÃO DA HISTÓRIA, E A DECISÃO DE AMANHà
NO SENADO

HELIO FERNANDES

No julgamento de Aécio pode acontecer de tudo, como tem ocorrido nos 128 anos da Republica. Começou militar, militarista e militarizada, sem povo, sem voto, sem urna. Durante 41 anos, apenas com um partido, o Republicano, iam  distribuindo o poder entre eles, sem o menor constrangimento.

A desfaçatez era tão grande, a ambição tão desvairada, que Rui Barbosa, ha muito considerado o "maior brasileiro vivo", foi presidenciável  4 vezes (como candidato independente) teve que desistir duas vezes, e derrotado(?) outras duas. Assim, chegamos a 1930 de  forma nada democrática ou Republicana.

Até hoje insistem em chamar esse golpe, de Revolução, com R maiúsculo. Faltando 42 dias para terminar o mandato, derrubaram o presidente Washington Luiz, o vice Mello Viana, que foram asilados nos EUA. Aproveitaram o embalo, asilaram também o Ministro do Exterior, Otavio Mangabeira. 

 Ficamos mais 15 anos sem eleição ou Constituição. Perdão, em novembro  de 1937, implantaram  a Constituição do "Estado Novo". Uma terrível ditadura, que o notável  Barão de Itararé definiu como o "estado a que chegamos". Com  a Câmara e o Senado fechados, deputados, senadores, jornalistas presos, só o Supremo ficou aberto para referendar  as arbitrariedades do ditador.

Veio a ditadura de 64, com os mesmos excessos das outras, em matéria de corrupção e  de violência. Em 1979, os generais torturadores resolveram se salvar, editaram o que eles mesmos chamaram de " anistia, ampla, geral e irrestrita", barbaramente referendada pelo Supremo .Ao contrario do que aconteceu no Chile e na Argentina, os generais brasileiros se despediram da vida felizardamente, com total impunidade.

E garantidos pelo Supremo. Pessoalmente, lógico, os ministros não são os mesmos, mas a covardia e a cumplicidade, a mesma. Amanhã, o senado, respaldado antecipadamente pela conclusão da sessão do dia 11,  julgará ou decidirá o que fazer com o afastado senador Aécio.

O QUE FAZER COM O SENADOR CORRUPTO, QUE PERDEU A PRESIDÊNCIA DO PROPRIO PSDB

Nos bastidores acontece de tudo, acirrada e desesperadamente. O corrupto e dúbio Temer, trabalha para salvar Aécio, oferece até ministério. Mas publicamente afirma: "O Executivo não participa, a decisão é do Legislativo". O mais inseguro, é o próprio Aécio,que só confia em Renan, Jucá, Lobão, e mais uns 3 ou 4, carregados de acusações. Renan comanda tudo, entusiasmado, garante: "Vamos destroçar o Supremo".

E lembra: "Já desmoralizei essa bobajada (textual), de que decisão do Supremo se cumpre".Não recebi nem o oficial de justiça," ele sabia que eu estava no senado".Agora, trava-se tremenda batalha para decidir se o voto será ABERTO ou FECHADO.Pela Constituição, tem que ser ABERTO. Mas a duvida é total.

Os que lutam pelo voto FECHADO, consideram que assim, têm duas opções. Ou interpretações. Podem votar CONTRA ou a FAVOR de Aécio, sem qualquer identificação. No ABERTO,têm que responder a pergunta:"Como vota o senador?". Sem artifícios.

PS-- Senadores me dizem: "O resultado da votação anterior, 50 a 21 será mantido.
PS2- Outros, também com mandato, chamam a atenção sobre a pressão sofrida por esses 50 senadores.

PS3- Haja o que houver, é bom não perder de vista, a viagem do presidente Eunicio. Pode ser positiva ou negativa. 

PS4-De qualquer maneira, mesmo voltando ao Senado, o futuro de Aécio acabou..

NEGOCIAÇÃO NA BARRA, NEGOCIATA EM RIO DAS PEDRAS

São vizinhos, administrativamente dependentes. Ha mais ou menos 2 anos, tiveram  a ideia de transformar a Barra num município.Nenhum absurdo, mais realizada e progressista, do que dois terços dos municípios do Estado do Rio.Ideia efetiva, mal  concretizara. Fizeram uma espécie de referendo entre moradores, compareceram apenas 4%. Mudaram de ideia.

Roberto Medina que já é co-sócio por causa da cidade do Rocking, quis ficar com o resto, não deu certo ou não tinha cacife financeiro.Agora entrou em cena um grupo poderoso de empresários. Estão movimentando a questão, com entusiasmo, ainda não  sei qual o objetivo.

RIO DAS PEDRAS, NEGOCIATA MESMO

È uma cidade plana, só casas, raros edifícios de 2 andares. O evangélico Edyr Macedo, (tio do prefeito Crivela, e que ha 12 anos  tinha projeto de ser presidente) "descobriu" a cidade. E está estudando transformar a ideia em realidade. Lá mesmo já se fala nisso.

Ele compraria as casas dos moradores, construiria centenas de edifícios de10 e 12 andares, com a  complacência ou cumplicidade do sobrinho, também evangélico. Daria  a Rio das  Pedras,  o mesmo gabarito da Barra.

Colossal enriquecimento bilionário, imobilionário. Naturalmente com um belo e suntuoso templo evangélico.

PS: Minha fonte chega com uma boa notícia para os abnegados associados da ABI. Um grupo de jornalistas que desejam transparência na histórica entidade de tantos exemplos de dignidade e seriedade capitaneados pelo do saudoso Barbosa Lima Sobrinho, Maurício Azedo entre outros, vão entrar na justiça pedindo prestação de contas das gestões da atual diretoria.

PS2: A dificuldade, explica um dos associados que trata do assunto, “é obter os documentos, por conta a da omissão criminosa do presidente Domingos Meireles, que a cada reunião do Conselho Deliberativo, se nega entregar as contas das gestões alegando que as informações foram apagadas do computador”.

PS3: O primeiro passo será pedir os documentos em juízo, uma vez deferido o pedido, se negado, a intervenção legal estará a caminho, podendo o juízo nomear uma diretoria provisória, afastando os criminosos que dilapidam o patrimônio da instituição. São informações alarmantes  , estou aqui preocupadíssimo, inquieto e desolado.

PS4: É muito triste ver essa instituição que se notabilizou na defesa da moral e da dignidade, esteja neste patamar de imundice. “A via legal é necessária, tamanha a displicência da diretoria e tesouraria da instituição, que se limita a esquivar de sua obrigação Estatutária, e não aponta o responsável pela tal perda de arquivos”, revela a fonte que garante que o assunto será levado na próxima reunião do Conselho.