Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

terça-feira, 30 de junho de 2015


A GUERRA PELA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA. DILMA FALASTRONA INÚTIL E DESNECESSÁRIA.

HELIO FERNANDES
01.07.15

Se a conhecesse a frase de Romário sobre Pelé, Dona Dilma aprenderia o valor incomparável do silêncio: "Dentro de campo é o Rei, calado é um poeta". Ela jamais seria poeta, mas escaparia de ser tão ridicularizada. Três vezes numa semana extravagâncias verbais.

Começou exaltando a mandioca, "grande conquista nacional". O Brasil "morrendo de rir", não percebe veio com a segunda: "Sou sempre julgada pelo viés machista". Parecia o fim, mas deixou para domingo da viagem, a afirmação dupla e ainda mais grave.

1 – Quando os acusadores de traidores, se mostrando e demonstrando que ignorância é vasta e ate histórica, comparou os “inconfidentes com os corruptos do mensalão e do Petrolão”. Cometeu crime de lesa Pátria, não percebeu, despencou ainda mais no precipício.

2 – textual: “Não respeito delator”. Outra fala inútil e desnecessária, não precisa respeitar delatores nem se preocupar com eles. Isso cabe exclusivamente ao Tribunal Superior Eleitoral, (TSE).

Se o Tribunal disser que dinheiro de corrupção, mesmo registrado é crime, estará virada a página dos acontecimentos. Não haverá solução, mesmo como o Ministro Dias Toffoli presidindo o Tribunal.

Se o Tribunal decidir que tudo dinheiro registrado é válido, terá perdido ótima oportunidade de ficar calada, mesmo longe de ser considerada poeta.

Descomunal.

Pela primeira vez essa palavra é utilizada em relação á Petrobras. Façam um esforço de memória, constatarão que o Aurélio ou o Houaiss inteiro já foram devorados, mas essa denominação que está no título, é rigorosamente inédita.

Está bem, Ricardo Janot, que desenterrou a indicação definindo magistralmente o tamanho da corrupção da Petrobras, e está em campanha eleitoral. Pretendo cumprir mais dois anos como Procurador Geral, é o que permite a Constituição.

Precisa obter dois resultados que dependem inteiramente dos mais de 120 colegas da Procuradoria, alguns amigos, mas também candidatos.

1 – Tem que ser indicado no voto interno. 2 – Precisa ficar entre os três primeiros. Conseguido isso, enfrenta os outros obstáculos finais. 1 – Ser indicado pela presidente da República. 2 – Sabatinado e aprovado pelo senado, presidido por Renan Calheiros investigado pela Lava jato, junto com outros senadores.

Dificuldade em cima de dificuldade. Se chegar ao senado, seu nome pode esbarra diretamente no presidente o próprio senador Macunaíma.

Exceção: pode não ser o mais votado na lista e ainda assim ser o indicado. Dilma e Lula têm sempre escolhido o mais votado, mas não é obrigação. Já houve caso do segundo (e até do terceiro) ganharem o cargo. Agora não será nada fácil ou previsível.

Resposta.

Laura Mindlin, Jorge Moreira, Adalto dos Santos, querem saber a razão do jornal do Brasil ter comprado a Tribuna da Imprensa do Carlos Lacerda, e logo depois ter vendido o mesmo jornal para este repórter.

Duas coisas comparadas, distintas, nada ver. O jornalista Carlos Lacerda, proprietário e diretor do jornal, em 5 de novembro de 1960 foi eleito governador do então estado da Guanabara. No dia 5 de dezembro, empossado, perplexo, constatou que não poderia estar ao mesmo tempo no Palácio Guanabara e na Rua do Lavradio, sede do jornal. Seus filhos, moços, não podiam assumir.

Inesperadamente, o senhor Nascimento Brito (genro da Condessa Pereira Carneiro, proprietária do jornal do Brasil) mandou um emissário propor a Lacerda a compra da Tribuna da Imprensa. A negociação foi rápida, o JB era riquíssimo, queria comprar, Lacerda queria vender. O JB pagou 26 milhões de dólares pelo jornal, o titulo, as máquinas, os quatro prédios da Lavradio, 92, 94, 96 e 98.

A ideia dele era fazer um vespertino o JB era matutino. O executor do projeto, jovem (27 anos) excelente poeta, Mario Faustino, morreu num desastre de avião, o projeto passou para o jornalista Hermano Alves. Que era quem no jornalismo foi contratado, incluindo o Millor. Muitos do próprio JB, como o repórter Castelinho, que há muito eu insistia para que fizesse coluna. Passou a assinar a “Coluna Castelo”.

Mas não fizeram um jornal e sim uma coleção enorme de colunistas, não “pegou”, perderam muito dinheiro. Nascimento Brito já estava satisfeito em deixar de perder dinheiro, não queria fechar, seria demonstração de fracasso.

Um dia telefona o grande amigo e notável advogado Miguel Lins, convida para almoçar, o que era comum. Na conversa, revela: “O Nascimento quer vender a Tribuna e considera que você tem todas as condições para adquiri-la”.

Foi rapidíssimo. Em menos de uma semana, “assumi ativo e passivo da Tribuna da Imprensa, meu nome estava no cabeçalho”. Não entrou um tostão, o ativo era o próprio jornal, o passivo, mínimo. De 1962 a 1964, o jornal aquilo que eu queria que fosse, ascensão inevitável.

Se não fosse o golpe de 64, a Tribuna da Imprensa continuaria até agora como um grande jornal. Joguei tudo na resistência, fisicamente, politicamente, administrativamente. É possível resistir mas não coexistir e derrotar uma ditadura qualquer que seja ela. Perdi tudo, não tenho nada, não me arrependo.

PS – Atitude e falta de bom senso, ou falta de assunto Dona Dilma cancelou o encontro com o fascista Henry Kissinger. Uma boa consequência da troca do impeachment (imposto) pela renuncia (voluntária) de Nixon. E que Kissinger deixou de ser secretario de Estado.

PS2 – O ex-presidente Lula está conversando intensamente. Surpresa geral, pois tem tratado os mais diversos assuntos com grupos os mais variados. Alguns me dizem; “Difícil saber o que Lula pretende”.

PS3 – Impressão apenas ou pressão: Lula estaria querendo fundar um novo partido? Ontem, o encontro foi na casa (mansão oficial de Renan), nenhuma vez se reuniu no Instituto. Pelo menos estranho.
............................................................................................................................ .................
Nossos leitores podem fazer comentários e se comunicar com os colunistas, através do: e-mail: blogheliofernandes@gmail.com












Não existe justiça sem eficácia e celeridade

(...) A sociedade que reprova 73% do judiciário, e declara que não confia na justiça, vai pagar mais caro para ter juízes nos tribunais. Está no Supremo Tribunal Federal (STF) a nova lei para a magistratura, cuja minuta contém adicionais e benefícios financeiros que ultrapassam os pedidos por um aumento salarial.
ROBERTO MONTEIRO PINHO
01.07.15
      
   Um dos maiores males para o direito e a justiça, é a morosidade. Mergulhado em aproximadamente 100 milhões de ações, o judiciário brasileiro, tem a justiça mais cara do planeta. Mesmo assim não atende a maioria das demandas que chegam aos tribunais. 

   Existe de fato uma preocupação latente nos polos, a sociedade/estado, este último, se pronunciando alvissareiro com suas mais de 55 mil leis, na forma de seus códigos, súmulas, atos administrativos, e das medidas do estado/juiz que (por força da Lei Orgânica da Magistratura Nacional – Loman), age, decide e toma medidas que podem (e isso ocorre) extrapolar até aquilo que a lei determina.

   Ao interpretar a lei, o juiz pode usinar decisão que venha ferir (e fere) princípios elementares do direito, da reciprocidade e do amplo direito de defesa. Esta última, visível na questão que trata da negativa da gratuidade as pessoas físicas e jurídicas, sem condições de arcar com custas e depósitos para poder recorrer, ou demandar e ainda na péssima falta de esmero nas execuções.

   A sociedade que reprova 73% do judiciário, e declara que não confia na justiça, vai pagar mais caro para ter juízes nos tribunais. Está no Supremo Tribunal Federal (STF) a nova lei para a magistratura, cuja minuta contém adicionais e benefícios financeiros que ultrapassam os pedidos por um aumento salarial. 

   Uma soma simples mostra que os benefícios e auxílios previstos no novo Estatuto da Magistratura podem triplicar os rendimentos dos juízes, levando os valores para o patamar de R$ 90 mil. Um juiz de primeira instância receberá: R$ 31.542,16 de salário a partir de 2015; Mais R$ 1.577,10 a cada cinco anos de magistratura; R$ 1.577,10 de auxílio-transporte, pois não conta com carro oficial; R$ 1.577,10 de auxílio-alimentação; R$ 6.308,43 de auxílio-moradia e R$ 3.154,21 de auxílio-plano de saúde. No total, o juiz receberá ao final do mês R$ 45.734,05.

Se o magistrado tiver um filho, receberá mais R$ 1.577,10 de auxílio-creche e outros R$ 1.577,10 como auxílio-plano de saúde para o dependente. Os rendimentos sobem para R$ 48.888,25. Se ele tiver um segundo filho, um pouco mais velho e que estude em escola privada, receberá mais R$ 1.577,10 de auxílio-educação. E mais R$ 1.577,10 de auxílio-plano de saúde para este segundo dependente. Sobem os rendimentos para R$ 52.042,45.
   Tendo em seu currículo um curso de pós-graduação, receberá ao fim do mês R$ 53.619,55. Se tiver o título de mestre, chega a R$ 56.773,76. Na hipótese de ter seguido uma extensa carreira acadêmica e, além de pós-graduação, tiver título de doutor, seus rendimentos vão a R$ 61.505,08. Se acumular alguma função administrativa no foro, o contracheque subirá a R$ 72.019,13. 
   Se este juiz julgar mais processos do que recebe no ano, ele receberá dois salários adicionais por ano. Dividindo esse valor por 12 para facilitar nossa conta, os rendimentos do magistrado subiriam mensalmente a R$ 77.276,15. Participando de mutirões de conciliação ou de outras atividades especiais, o juiz receberá a mais, por dia, R$ 1.051,40.
   Um juiz que tenha chegado ao topo da carreira e que alcançado o tempo necessário para se aposentar, ele receberá mais R$ 1.577,10 por ano se decidir continuar trabalhando. Além desses valores, há outros benefícios, como ajuda de custo para capacitação (de R$ 3.154,21 a R$ 6.308,43) , auxílio para o caso de ser designado para localidade de difícil acesso (R$ 10.514,05), auxílio-mudança (de até R$ 94.626,48 em parcela única).   
   Este é o perfil do juiz que nega gratuidade de justiça, que não julga com celeridade e não recebe advogados e ainda se dá ao direito de intervir junto a legisladores na aprovação de PLS, em flagrante acinte a sua postura isenta, já que na frente ira julgar casos em que interferiu no seu bojo, através de “nota técnica”.


segunda-feira, 29 de junho de 2015


SEM O GOLPE DE 64, JK, BRIZOLA E LACERDA SERIAM PRESIDENCIÁVEIS EM 65. DEL NERO, HUMILHADO E APAVORADO DEFENDE DUNGA.

HELIO FERNANDES
30.06.15

Assim que Joaquim Levy subiu ao palco, começou a circular: o Brasil enfrentava a possibilidade de ser REBAIXADO, expor causa de economia. Antes de Ricardo Pessoa.
Agora o Brasil enfrenta não possibilidade, mas a realidade de ser REBAIXADO, por causa da política. Depois de Ricardo Pessoa.

A confusão é geral. (Machado de Assis). Mas se viesse tormenta, acreditavam que só poderia aparecer (e assustar), pelos lados da economia. Inflação invencível, PIS negativo, juros cada vez mais altos, desconfiança de empresários, desemprego assustador, falta de investimento, crescimento, consumo e desenvolvimento.

Para tudo fingiam que tinham resposta, apesar da impopularidade da presidente ser tão alta, que ela implorava: "Na próxima pesquisa pelo menos 10 pessoas ouvidas apoiassem meu governo". Ficou nesse limite, embora fosse terrorismo. Pelo menos acreditam nisso.

Agora está lendo um novo roteiro, pode ler mas não vai influencia-lo de jeito algum. O autor do roteiro não tem muita imaginação, mas que arquivos, que montanha de documentos acumulou. E todos eles, mesmo lendo apressadamente, colocam o Tribunal Superior do Trabalho (TSE) no centro dos acontecimentos.

Uma parte grande do primeiro time da política brasileira, diante dos fatos e do volume das acusações, só tem uma resposta: "Está tudo registrado no Tribunal Eleitoral”.

Deve estar mesmo, só que o TSE não investiga a fonte do dinheiro. Agora tem elementos para localizar tudo, não inocente ninguém.

Essa questão vai longe, mas não no caminho da impunidade.

Suprema Corte dos EUA.

Tem nove juízes vitalícios. Há mais ou menos 13 anos está dividida que os conservadores, quatro progressistas, o presidente decide, geralmente por 5 a 4. Esta semana, duas decisões importantes. Uma de caráter interno, que estava parada desde 2010. Obama mandou projeto ao Congresso, permitindo que o Executivo (presidente da República) financiasse planos de saúde.

O Congresso vetou, o recurso á Corte levou cinco anos. A votação ficou 3 a 3, o quarto a votar era um conservador inovou, ficou 4 a 3 a favor do recurso. Aí o progressista fez 5 a 3, o presidente 6 a 3. Um avanço para milhões de pessoas.

Quatro dias depois, entrou em pauta, um projeto de repercussão mundial, e que esperava julgamento há anos e anos: autorização para casamento oficial entre pessoas do mesmo sexo. 14 estados (entre 50) já decidiram a favor. Agora vale para todo o país a decisão da sexta feira, 5 a 4, anula e revoga tudo o que já aconteceu nos estados.

As duas decisões coincidem com o que Obama defende, o que favorece os Democratas na eleição de 2016, Problemas para os Republicanos, que estão na contramão da Suprema Corte, e da vontade da opinião pública, constatada em pesquisa isenta. Precisam explicar, não podem mudar nada.
A propósito: qualquer cidadão, indicado á Corte pelo presidente da República, aprovado pelo senado, empossado, sabe que nunca presidirá a Corte. O presidente é vitalício, não ha rodízio como no Brasil. (Não estou nem julgando, apenas comparando duas realidades).

O juiz Hendell Holmes presidiu  a Corte por 34 anos, criando o que se chamou de “Corte Holmes”. Aposentado, participou da Comissão que investigou o assassinato do Presidente Kennedy.

Resposta.

Celina Policarpo quer saber se Carlos Lacerda seria presidente. É difícil responder depois de 38 anos da sua morte, principalmente por causa deste enigmático SERIA. Uma coisa é certa porque já era realidade há 51 anos. (1964). Ele e Juscelino seriam candidatos a presidente em outubro de 1965, se não tivesse havido o golpe.

Juscelino passou o governo a Janio em 1960, e na transmissão, oficialmente lançou sua candidatura para dentro de cinco anos. Só o ciclo democrático desta República cheia de interrupções e sem eleições, o “trafego peralta”, já tramava com militares golpistas e ambiciosos, a denuncia para voltar com “plenos poderes”.

Carlos Lacerda era candidatissimo, podia não ganhar (eis uma parte da resposta para a tua pergunta), mas já estava lançado, tinha um partido, a UDN, que também queria que fosse candidato.

Os governadores dos maiores estados eram candidatos, (Lacerda, Ademar de Barros, Magalhães Pinto, Mauro Borges, Ney Braga, Brizola) e mais Juscelino, possivelmente concorreriam. Com a posse de João Goulart, que começo logo a conspirar surgiram os militares. E deu no que deu, 21 anos perdidos, e até hoje não recuperados, e um futuro cada vez mais incerto e duvidoso.
.
Liomar Nascimento perde tempo com uma pergunta desnecessária, quer saber se sou de esquerda, centro ou de direita. Vou completar 94 anos, já fiz 80 de jornalismo. Digamos que tenha levado 10 anos de formação, com 254 anos para a Revista “O Cruzeiro”, a cobertura da constituinte que promulgou a bela Constituição de 1946.

Foi histórica para o Brasil e para a minha carreira. A partir daí dirigi jornais e revistas, inovei, atuante, participante, beligerante cassado em 1966 quando era candidato a deputado pelo MDB da oposição à ditadura.

Com a volta da suposta democracia, em 1980, Brizola me convidou para candidato a senador, ele governador. Logo depois, Tancredo Neves, candidato a governador de Minas,  também me convidou para senador, aceitei. No lançamento da minha entrada no seu partido, afirmou e informou com aquele vozeirão: “Estamos incorporando ao partido o jornalista Hélio Fernandes, candidato a senador e o maior oposicionista que o Brasil já conheceu”.

Logo depois Figueiredo extinguia os partidos, o quadro mudou completamente.

PS- Marco Paulo também Del Nero, fugido da Suíça 12 horas depois da prisão do amigo, sócio e vice Marin, vai embora sem votar, lá eles prendem mesmo. Ilhado mas não ilibado, humilhado no Brasil, não pôde ir ao Chile, lá levam a sério a extradição.

PS2- Depois de tudo o que houve com Dunga afirmando que os “afrodescendentes” gostam de apanhar, do vexame com a Venezuela e o Paraguai, Del Nero resolve defende-lo, ”o técnico não tem culpa alguma, a culpa é dos jogadores”.

PS3- Dentro de campo, o que os jogadores podiam fazer se o técnico colocava no segundo tempo, contra a Venezuela, quatro zagueiros e três volantes dentro da área? Repetindo: contra a Venezuela.

PS4- Nos pênaltis não inclui Robinho e Dani Alves. Escala um garoto reserva, posto em campo aos 41 minutos, lógico, o primeiro a desperdiçar o pênalti. De quem é a culpa?
............................................................................................................................ .................

Nossos leitores podem fazer comentários e se comunicar com os colunistas, através do: e-mail: blogheliofernandes@gmail.com
CARLOS MARIGHELA BRILHANTE, JÁ ALERTAVA SOBRE A CRISE DE HOJE. DILMA NÃO FALA, NÃO ENXERGA E NÃO HOUVE, É UM ROBÔ SEM BATERIA. A CUT ESVAZIADA, JÁ ERA MESMO. E O LULA, ESPECULA-SE ESTEJA ENGENHANDO UM NOVO PARTIDO. QUER FILIAR JOVENS E APOSENTAR “MEDALHÕES MOFADOS”.        
ROBERTO MONTEIRO PINHO
30.06.15
Retomando minhas pesquisas, encontrei este trabalho teórico do revolucionário Carlos Marighela escrito em 1966 no qual analisa a conjuntura nacional a partir da estrutura de classes do Brasil mostrou o descontentamento da cúpula do PCB o que lhe custou à expulsão do Partido em 1967.
No texto ele ressaltou: (...) “O golpe de primeiro de abril sobreveio, e tornou-se vitorioso, sem que as forças antigolpistas, e entre elas os comunistas, pudessem esboçar qualquer resistência. A única resistência de massas organizada contra o golpe foi à greve geral, mesmo assim sem condições de prosseguir, em virtude do despreparo geral”.
A falta de resistência ao golpe prendeu-se, assim, ao nosso despreparo. Despreparo político e sobre tudo ideológico. Despreparo dos comunistas como de toda a área antigolpista – assinalou: E acrescentou: (...) “Quanto aos comunistas, à resistência tornou-se impossível porque nossa política — no essencial — vinha sendo feita sob a dependência da política do governo”. Quer dizer, sob a dependência da liderança da burguesia, ou melhor, do setor da burguesia que ocupava o poder.
Tal posição contribuiu para quebrar a autoridade e anular nossa força, uma e outra necessárias quando se trata de influir na frente única, levá-la à consolidação, paralisar as áreas vacilantes e exercer um nítido papel ideológico diante dos setores mais radicais da pequena burguesia. 
Quando a liderança do proletariado se subordina à liderança da burguesia ou com ela se identifica, a aplicação da linha revolucionária sofre inevitavelmente desvios para a esquerda e a direita. Pois, nesse caso, falta o lastro ideológico, único recurso capaz de impedir o desvio dos rumos da revolução.
As criticas de Marighela se ajustam ao quadro que se encontra o Partido dos Trabalhadores, que desde a sua primeira ascensão ao Poder através da eleição de Lula da Silva, “deu as mãos para a burguesia fascista”, representada na oportunidade, por José Sarney, Antonio Carlos Magalhães e outros da extrema direita.
Ele alertou seus companheiros para o que entendia acontecer eis que (...) tais resultados podem ocorrer em consequência da desastrosa política econômico-financeira do governo, das concordatas, do desemprego, da carestia, da submissão ao Fundo Monetário Internacional, da política antioperária, da política de entrega e submissão aos Estados Unidos e, paralelamente, do crescimento das lutas de massas.
Veio o junho de 2013, as consequentes manifestações de massa, a força do advento da mídia eletrônica e redes sociais, até agora, o desequilíbrio e o descompasso do terceiro Poder de Lula, mal representado por Dilma e seus apoiadores (leia-se banqueiros), e mal defendido por Lula, que ainda não encontrou o pomo do discurso adequado para unir o PT – ou melhor, reunir o PT, ora esfacelado, com suas múltiplas correntes.
Muita se especula em torno do futuro do PT. Sem Dilma, (uma ausente flagrante). Mercadante desolado, ineficiente e sem liderança, o que aliás nunca teve. Gente opaca, sem brilho, que se elegeu no calor da militância, que hoje está dividida, esfacelada e desacreditada. A CUT (braço direito do PT, está perdendo dezenas de sindicatos para as concorrentes sindicais). E Lula, já se especula, e muito, estaria formatando ao lado de figuras de proa do PT, um novo partido. Iria “rifar” medalhões “mofados”. Quer dar espaço aos jovens na política. Será?
O fim dessa estrada, sabemos onde vai dar. A direita extremista assiste passivamente e acalenta este estado débil, onde já aproximadamente 10 milhões de brasileiros estão fora do mercado de trabalho. E seus financiadores, se “lambuzam” com adocicados e extorsivos juros, e esperam soberbos que a terceirização os contemple de forma gradual e total. vai ser duro de ver isso!!!.


domingo, 28 de junho de 2015


SUPREMA CORTE: “SER GAY É UM DIREITO CONSTITUCIONAL”. MAIS UM VEXAME DE DUNGA E DA SELEÇÃO.

HELIO FERNANDES
29.06.15

Ricardo Pessoa finalmente explodiu. Desde o inicio era considerado a voz mais poderosa e o silencio mais opressivo e intimidativo da Lava Jato. Perto dele, Paulo Roberto Costa, Yousseff, Cerveró, Pedro Barusco, Fernando Baiano e mais alguns, sabiam pouco, “ouviram falar” muito.

Mais assustador do que Ricardo Pessoa, talvez apenas o tesoureiro João Vacari. Mas assustador exclusivamente para o PT. Por isso é ovacionado de pé nas reuniões do Instituto, aplaudido por cinco minutos na Convenção do partido. Todos sabiam a razão do aplauso, ele tinha certeza pelo fato de estar sendo ovacionado. Até quando?).

Ricardo Pessoa, inteiramente diferente. Sua empreiteira não é a mais importante. Longe disso, mas ele como controlador do “clube dos empreiteiros”, pessoalmente acima de todos. Considerado “habilíssimo”, o dinheiro da corrupção na totalidade, passava pelas suas mãos. Recebia a “contribuição” das empreiteiras, grandes e pequenas, com destinação, que ele ás vezes alterava.

Bomba com o pavio desencapado, ou melhor, bomba relógio, estando acima e alem de todos, era o senhor das propinas gigantescas e de quanto era necessário para cada destinatário. Tudo devidamente documentado, arquivado, com nome, Local e data.

Os investigadores da Policia Federal e do Ministério Público, souberam do seu poder, foi preso, sabendo o Paulo Roberto da Costa ganhara com a “delação premiada” e o doleiro também ganharia, ficou tranquilo. Quando falaram com ele sobre a “delação premiada”, silencio. Tinha confissões pelo menos umas vinte vezes mais profundas, deixou que falasse ou tentasse que começasse a falar.

Quando decidiu que era a hora de conversar, começou, depois de impor suas exigências. Sabia que aceitariam, os investigadores tinham certeza que pedisse o que pedisse seria um avanço para a investigação. Não exorbitou.

1 – Faria depoimentos seguidos, sem grandes intervalos. 2 – Assim que terminasse, seria transferido para prisão domiciliar. 3 – Julgado, não seria condenado a mais de dois ou três anos de prisão em regime semiaberto. Que seria o seguinte. Ficaria em casa, sem tornozeleiras, sairia para trabalhar, voltaria para casa. Terminado o prazo da condenação, estaria livre.
Aceitaram tudo, com restrições. Fez cinco depoimentos se seis horas cada um. No segundo, mandaram cópia para o Ministro Teori Zavaski, o único com poderes para referendar o acordo. Estavam assombrados, o ministro autorizou a “delação”. Os deputados continuaram, agora com mais facilidades e fluidez.

Ficaram encantados e desvanecidos, quando cumpridos todos os compromissos, Ricardo Pessoa disse textualmente: “Sei que vocês estão com dificuldades para enquadrar os presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez. Vou levar vocês a um endereço onde estão guardados documentos que responsabilizam os dois por dezenas de anos”.

Aceitaram na hora. Foram a um local no Rio, pediram imediatamente um avião. Ficaram lá duas horas, deixaram Pessoa em casa, de acordo com o combinado. Uma semana depois os dois estavam presos, surpresa total e absoluta.

Odebrecht e o presidente da Andrade Gutierrez, nunca ouviram falar em Gabriel Garcia Marques. Mas sabem agora, o que significa “Com anos de solidão”. Não podem negociar “delação”, pois estando no mais alto da pirâmide estariam, “delatando” a eles mesmos.

O estrondo foi ouvido a quilômetros de distância, mas isso representa digamos 20% do que foi delatado ou proclamado por Ricardo Passos. Não escapou nem o filho do "intransigente” presidente do TCU, que tem paixão por informações do "serviço de inteligência".

Dona Dilma fez duas reuniões urgentes, ministros foram acordados para irem á televisão. A viagem de Dona Dilma foi retardada, Mercadante não viajou, Levy teve uma inacreditável "embolia pulmonar", que durou apenas 36 horas (milagre?), que não impediu que viajasse.

O Ministro tesoureiro da campanha de Dona Dilma, falou que houve "vazamento seletivo". A primeira palavra está presente em grandes furos. A segunda puro chute, ninguém conhece o teor do depoimento de Pessoa.

Quanto á afirmação geral, "tudo é legal", registrado no TSE. Pode estar mesmo, mas como era dinheiro "sujo" de corrupção, um simples registro não "limpa" a doação. Pode até enquadrar tudo em "lavagem de dinheiro".

O medo, o susto, a incerteza, rondam o Planalto. E não apenas o Planalto e sim quase toda Brasília. O pior é que nenhum dos personagens sabe quanto tempo irá durar a angustia.

PS- Dunga, três vexames em 48 horas. 1- Afirmou que os afrodescendentes gostam de apanhar. 2- Perdeu para o ultrapassado Paraguai. 3- Insinuou que os jogadores brasileiros tiveram virose por causa do nevoeiro. Mas vem o lado bom.

PS2- Perdendo para o Paraguai, (relaxou, "foi nos pênaltis, acaso"; fugimos de uma possível goleada contra a Argentina). Lembro que em 1939 (eu ia completar 19 anos) perdemos de 5 a 1 para a Argentina no Estádio do Vasco.

PS3- A Polícia Especial da ditadura do Estado Novo (aqueles grandalhões de Kepi vermelho) batiam implacavelmente nos jogadores e dirigentes argentinos. Uma vergonha.

PS4- Por muito menos do que agora na Copa América, Mano Menezes foi demitido, abrindo portas para os 10 a 1 (em dois jogos) para o presunçoso Felipão.

PS5- Podiam dar indenização a Dunga e contratar o Tite ou o Cuca, excelente que chegou da China. Dunga nunca mais, como disse o corvo, de Edgar Alan Poe.
.............................................................................................................................. ..............
Nossos leitores podem fazer comentários e se comunicar com os colunistas, através do: e-mail: blogheliofernandes@gmail.com

Helio,

“se não joga por amor, joga por terror”.

Futebol não é cem por cento a minha praia. Mas acho que você também está nessa comigo. Mas vamos lá. O Dunga e seus “afrescalhados” jogadores (eis que observo só tem ali um bando de maricas). A seleção brasileira pelo visto está ficando traumatizada quando se trata de competir para ganhar títulos. O Neymar saiu de mais uma, para a mesma seleção da Venezuela. Notei que entrou em campo, e amarelou. O bad boy ex-Santos, e agora enfeitando a Paella a la Barcelona, só joga, quando não tem marcador no seu pé 90 minutos. Como a seleção não convocou craques, ele era o único a ser devidamente, corretamente e duramente marcado. Deu no que deu. Afinal o que faz o Gilmar Grimaldi naquela Comissão Técnica? Empresário de jogador de futebol, nunca, jamais em tempo algum, deveria compor uma Comissão de Futebol, é como “entregar a chave do cofre ao bandido”. Essa CBF nos deve uma urgente explicação sobre isso (???). Ainda bem que não entendo de futebol. Depois daquela “mão na bola" do Thiago Silva, sinceramente, fui fazer outra coisa, sabia no que ia dar. O tal goleiro que pegavaaaaa tudo, não pegou nem vento. Antes de o batedor chegar na bola, ele já tinha escolhido e pulado. Desde que me conheço por gente, sempre ouvi falar que o goleiro, no pênalti, só deve pular depois que o batedor encostar na bola. Quem assistiu os pênaltis das meninas na partida Alemanha e França, no Mundial, sabe muito bem como se deve bater na bola, e deveria ser mostrado o tape, também para os nossos batedores. Todas as bolas colocadas suavemente no canto de cada trave. Mas é isso, eles ganham milhões e nos ganhamos tostões. São artistas, ilusionistas, com rara exceção, se salva alguém. Desisti de torcer por esses afeminados e mercenários do futebol. Temos que organizar uma torcida igual a da Gaviões da Fiel – “se não joga por amor, joga por terror”. Marcio Toledo – Rio de Janeiro.
...
Helio Fernandes.

Estimado jornalista, “perguntar não ofende”, como o senhor se autodefine ideologicamente. A esquerda, centro ou direita?
Liomar nascimento – Florianópolis – SC
...
Helio,

Venho acompanhando diariamente suas crônicas políticas, as quais refuto serem as mais preciosas da net. É importante não somente para mim que sou um petroleiro, mas o país, que o senhor continue batendo na questão da Petrobras. Não esqueça a nossa gente – Thomaz Barreiros – Itaguaí -RJ.
...
Helio,

Me responda...

Carlos Lacerda, teria chegado a presidente?
Celina Policarpo – Rio de Janeiro












sexta-feira, 26 de junho de 2015


O MAIOR CRIME DO GENERAL NEWTON CRUZ FOI CONTINUAR VIVO ATÉ AGORA. AOS 86 ANOS. TODOS OS OUTROS, IGUALMENTE, CRIMINOSOS, SABIAMENTE MORRERAM MUITO ANTES.

HELIO FERNANDES
(publicada em: 02.01.15)

Em 1981, portanto quase 2 anos depois da farsa da “anistia ampla, geral e irrestrita” de 1979, foram cometidos dois crimes. Por muitos motivos, vingança, acerto de contas, represália, mas com planejamento e objetivo mais do que visível e ostensivo: PRORROGAR A DITADURA, que com o ato de 1979, estava derrubada e com data certa para terminar.

A destruição da Tribuna

Foi o primeiro ato de destruição, uma espécie de teste para o que viria no 1º de abril. Em fevereiro de 1981 a Tribuna foi pelos ares, com tudo organizado e milimetrado pelos generais Otávio Medeiros e Newton Cruz. Os dois do SNI, o órgão mais poderoso, que “fazia presidentes”, e sonhava com a prorrogação do golpe de 1964.

O General de quatro Estrelas, Otávio Medeiros, era o chefe Geral do SNI. E tinha um objetivo a defender e a preservar: se a ditadura continuasse e mais um general assumisse a “presidência” seria dele. Newton Cruz, de três Estrelas, era o chefe do SNI de Brasília, servo, submisso e subserviente ao comandante poderoso.

No Senado, a CPI do Terror

Funcionava em Brasília, lógico, o relator, André Franco Montoro (notável figura, depois governador de São Paulo) providenciou imediatamente minha convocação para a CPI. Telefonou para Barbosa Lima, presidente da ABI. (Eu era conselheiro, fiquei por 18 anos. Meu compromisso com o notável jornalista era ficar enquanto ele fosse presidente). Marcamos um encontro na ABI.

Fui depor, falei 6 horas seguidas, respondi perguntas de senadores (e até deputados) da oposição e da situação. Citei e acusei nominalmente Otávio Medeiros e Newton Cruz. Calei os defensores do golpe e da ditadura, assustei a oposição. Fui tão duro e explícito, que não permitiram que dormisse em Brasília. Foram me levar ao aeroporto, me “empurraram” para dentro de um avião.

Meu depoimento desapareceu

Não sabia, nem remotamente, que haveria o 1º de Abril, até hoje chamado de “atentado do Riocentro”. Mas quando aconteceu, juntei os fatos, que rigorosamente verdadeiros, formavam e confirmavam o plano de continuação da ditadura. Dois anos depois, precisando do depoimento, pedi a senadores que tirassem copia para mim.

Como falo sempre de improviso, não tinha como reproduzir o que falara. Aí, assombro, surpresa, perplexidade: O DEPOIMENTO SUMIRA. Não foi possível encontrá-lo de jeito algum. Naquela época “eram notas taquigrafadas”, não eram discursos ou depoimentos gravados, que não podem ser cooptados, roubados, surrupiados.

Newton Cruz é culpado, mas muitos outros generais também

Os governos que se sucederam, chamados de “democráticos”, são também completamente culpados. Só mais de 30 anos depois, (agora) foi criada essa Comissão da Verdade, que não pode fazer nada. Responsabilizam o general Newton Cruz, o único que está vivo. Os “outros”, também indiciados, foram apenas coadjuvantes.

O marechal Pétain e o General Newton Cruz

Herói na primeira guerra, por ter vencido os alemães na inexpressiva batalha Verdun, foi consagrado de todas as maneiras. Na Segunda Guerra, se transformou em traidor, formou o governo de Vichy, apoiando Hitler contra a própria França. Aos 89 anos foi condenado à morte. Com a pena convertida em perpétua, morreu antes dos 90.

Newton Cruz não tem formação, convicção e reflexão de herói. Se for condenado a 36 anos de prisão, quanto tempo poderá cumprir? Acusei o general quando ele era poderoso, da ativa, do SNI, com pouco mais de 50 anos.

Não quero acusa-lo ou defendê-lo, apenas iguala-lo a outros generais golpistas que já morreram. Ou a civis que chegaram a presidentes, (ou ocuparam cargos importantes, impunes) depois de apoiarem o golpe e se serviram dele. E ao contrário de Newton Cruz, um só, os civis golpistas são muitos.

PS – A Comissão da Verdade tem poderes para enquadrar todos eles. E o Ministério Público também.


PS2 – Alguns podem até mesmo ir para a Penitenciária de Pedrinhas, estarão e casa.

quinta-feira, 25 de junho de 2015


ANDRADE GUTIERREZ PERDE O HABEAS-CORPUS, ODEBRECHT FICA ENCLAUSURADA. PETROBRAS CORTA INVESTIMENTOS DE 88 BILHÕES.

HELIO FERNANDES
26.06.15

Estamos em plena sucessão de 2018. Lula, que estava na plateia, em silencio, decidiu subir ao parlatorio ou púlpito e falar o que muitos achavam e continuam achando exagero. Provocação do que ainda tem 40 meses (três anos e quatro meses) para se concretizar.

O pretensioso e autossuficiente FHC pode se ufanar: foi por causa dele que Lula abandonou o que muitos consideravam ostracismo, e desandou a criar, manchetes, destaques e debates. Ha dois meses, FHC escreveu: “Para 2018, o PT só tem um candidato. E assim mesmo...”

Não citou nomes nem precisava. E as reticências deixavam tudo bem claro. Para o bem ou para o mal, quem acordou Lula foi FHC, pretendendo apenas desacredita-lo.

Lula foi criativo e bastante para usar a frase da moda consagrada pelo que chamaram de “crise hídrica” de São Paulo. E sem que ninguém entendesse mas não duvidasse, colocou o partido, a presidente Dilma e a ele mesmo numa espécie de “volume morto” político. 

Provocou um choque tremendo, quase todos acreditavam em insulto, quando era apenas desenvolvimento de estratégia audaciosa.

Agora, o ex-presidente está no centro dos acontecimentos, recuperou o tempo perdido, multidões esperam que fale, até para discordar, mas ansiosos para ouvi-lo. Como adora, está no centro do palco, fala o que bem entender.

Chega a dizer “Os companheiros perderam a UTOPIA”, palavra da preferência de Marx e dos marxistas. Surpreendidos? Este repórter não.

Nos próximos 40 meses muita coisa, surpreendente, acontecerá. Embora nos últimos anos, desde 1998, os personagens sejam os mesmos. A sucessão do Brasil está sendo disputada até na Venezuela. Dilma apoia os que não respeitam o Mercosul. E mandou para lá um grupo de comunistas contra a liberdade. Só não entendo o que o senador Requião fazia nesse grupo.

Habeas-Corpus.

O presidente da Andrade Gutierrez entrou com recurso inútil no Tribunal Regional Federal, quarta região. Sabia que não tinha nenhuma chance, mas era ao mesmo tempo tentativa de liberdade e teste para o presidente da Odebrecht.

Se tivesse sucesso, Marcelo Odebrecht seguiria o mesmo caminho. Perderam, os advogados agora estudam o que fazer. O normal seria ir ao Supremo, nem imaginam qual roteiro. Mas o que sobra, mesmo para advogados caríssimos?

EUA: Plano de Saúde.

Um dos projetos mais humanitários e voltados para a coletividade, foi o do financiamento pelo governo federal desses planos. Obama tomou posse em 2009, logo em 2010 mandou o projeto para o Congresso. Levado por mesquinharias. Vetaram totalmente.

Ontem, por 6 a 3, a Suprema Corte (que tem nove membros), desautorizou o Legislativo, deu ganho de causa ao Executivo. Os EUA têm uma população de 300 milhões de habitantes. Pesquisa: 150 milhões têm plano mas seus direitos não são respeitados. Os outros 150 milhões não têm recurso algum.

Petrobras.

Curioso, interessante e mais ou menos surpreendente. A empresa anunciou ontem e confirmará hoje: reduzirá substancialmente os investimentos em 40%. Inacreditável, porque o presidente "novato" da Petrobras diz, "estamos cortando investimentos por causa das dívidas".

A explicação está mais para o insensato, pois é o investimento que gera lucros, possibilidade o pagamento dos compromissos. Suprindo 40% do investimento, onde irá buscar recursos para pagamentos das dívidas e desenvolvimento da empresa que é fundamental para o próprio país?

O presidente da empresa diz assombrosamente: "No momento só pensamos num objetivo, que é salvar a empresa". Curiosamente (ou será mera coincidência?) o corte nos investimentos, totalizam 88 BILHÕES. Fácil de lembrar: Dona Graça Foster foi demitida da presidência, porque divulgou (contra a vontade de Dona Dilma), "os prejuízos são da ordem de 88 BILHÕES". Por que esses números voltam ao noticiário.

Só com esse anúncio amalucado e extravagante do corte de investimentos, as ações da empresa que vinham se mantendo, caíram mais de por cento. O que não consegui apurar: a Petrobras foi autorizada por Dona Dilma? Não me surpreendo com informação positiva ou negativa.

PS- A FIFA comunicará a CBF, que “Neymar terá que cumprir os quatro jogos de suspensão, nas eliminatórias para a Copa de 2016”. Além de corrupta, ignorante.
PS2- Neymar não jogou contra a Venezuela, amanhã contra o Paraguai, a segunda. Se o Brasil vencer passa ás semifinais. Mas uma vitória, vai á final. Neymar está livre da suspensão.
PS3 – se não disputar a final, decide o terceiro e o quarto lugar. E afinal, isso não preocupa. Nas eliminatórias, o Brasil joga 18 vezes, nove em casa. Outras nove na casa do adversário.
PS4- Em 1982, quase vitima eleitoral, por causa da Proconsult, Brizola fez a proposta de imprimir o voto eletrônico, coisa facílima, Agora vem o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, (TSE) e diz: “Isso é um retrocesso”.
PS5 – Sem nenhuma dúvida ou contestação, RETROCESSO é um homem com o passado e o presente de Dias Toffoli ser Ministro do Supremo e presidente do TSE.
*Amanhã, sábado publicaremos a matéria mais acessada nas edições anteriores.
.............................................................................................................................. ..............
Nossos leitores podem fazer comentários e se comunicar com os colunistas, através do: e-mail: blogheliofernandes@gmail.com

Jornalista Helio Fernandes.

Pelo que o senhor escreve, FHC e Lula praticaram atos idênticos, de forma diferentes. Ou seja: os dois se perpetuaram no Poder. FHC duas legislaturas, Lula idem e agora Dilma. São 20 anos e seis meses na conta dos dois. O senhor não acha que existem uma perfeita combinação entre eles. Quando um bate o outro “assopra”. Estamos de mal a pior!!!

Sandro Correa – Nilópolis - RJ
...

Perdoe o pessimismo, mas acho que estamos próximo de uma guerra civil. - Pedro Malaquias de Sousa – Rio de Janeiro – RJ
...
Se a Lava-jato emplacar conforme se pretende, com as “delações premiadas”, diria que o final seria o mesmo do que ocorreu com o “mensalão”, que eclodiu a partir da denúncia do “delator” Roberto Jefferson.
Por último. Afinal quando nos brindará com a volta da Tribuna impressa?

Virna Melissa – São Paulo – SP

Helio,


Sou aposentado, tenho 74 anos, e trabalhei toda minha vida na Petrobrás. Sinceramente, nunca vi a empresa numa situação tão deprimente como está hoje. Preocupa-me o emprego de milhares de pais de família, que estão pagando uma conta que não são eles, os responsáveis. Essa gente corrupta devia ser trancafiada a “sete chaves”,  - Manoel O. Salles – Rio de Janeiro - RJ