Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

domingo, 9 de julho de 2017

EXPULSAR TEMER DA PRESIDÊNCIA

HELIO FERNANDES

Todos concordam que é a única solução para uma espécie de coalizão em nome do País. Justo nesse momento surge a candidatura Maia. Não por 30 dias, mas até 2018.  Vários dirigentes de partidos bastante numéricos, não escondem o apoio a essa substituição.

Maia foi á Argentina participar de um congresso com nome conveniente: DIPLOMACIA PARLAMENTAR.

E deixou o presidente do Senado sentir o "gostinho" do poder. (Como presidente da Câmara, Paes de Andrade assumiu a presidência da republica, 11 vezes). Logo que chegou, Maia falou: "A denuncia do Procurador Geral é grave e tem que ser respeitada".

Da Alemanha , Temer respondeu: "Não ha crise econômica no Brasil". Maia levou com ele, 6 deputados importantes, lideres de partidos com muitos votos.

Incluindo Rogerio Rosso, ligadíssimo a Eduardo Cunha, que o indicou para presidir a Comissão Especial que manipulou e garantiu o impeachment na Câmara. E enfrentou o próprio Maia no atual mandato Rosso fez campanha dura contra ele, pregando: "Se eu perder,  vou JUDICIALIZAR seu mandato até o fim". Pelo jeito, mudou de ideia, Eduardo Cunha, que foi intimo de Rodrigo, (esse não mudou de convicção).

O surpreendente, é que até outro dia, o inexpressivo e praticamente desconhecido Rodrigo Maia, surge desabrida e desvairadamente como favoritissimo candidato. Sem adversários, e até sem presença. O fim de semana  foi com ele na Argentina. Mas os que trabalham seu nome, não descansaram.

Na Câmara, a palavra de ordem: "Maia consolidado antes do recesso". Faltava o Senado, Eunicio é um bom camarada. E precisa se reeleger em 2018. Para isso, nada melhor que o apoio de um presidente da Republica.

E da contribuição geral, de partidos e de personagens, para se aproximar  da opinião publica, com o grito retumbante: FORA TEMER.

EXCLUSIVO:

LAMENTÁVEL, MAS RIGOROSAMENTE VERDADEIRO

"Existem circulando pelo Congresso mil e seiscentas PECS". Como se sabe, PEC é um projeto de emenda constitucional. E vai entre aspas, porque a revelação tem nome e sobrenome. Foi o senador Ronaldo Caiado que disse isso, ante ontem, num programa de televisão.

As Constituições não podem ficar imobilizadas, mas 1.600 tentativas de mudança, na mesma época, é assustador. Não consegui confirmar, mas deve ser verdade, apesar do senador, no passado, ter pertencido ao PFL. Precisou trocar o nome, para fugir ou esconder as origens. 

Agora o DEM está tentando se travestir politicamente, saiu do anonimato em alta velocidade, dá sinais de que só terminará a caminhada no Planalto.

LAMENTAVEL E RIGOROSAMENTE MENTIROSO

Finalmente um Ministro da Justiça. Mesmo falseando os fatos, conseguiu ameaçar a trajetória da Lava-Jato. Nos últimos tempos foram vários. Precisaram ir buscar um ex-ministro circunstancial e momentâneo do TSE. Levou apenas menos de 1 mês para confundir tudo. Cortou 16% das verbas dos delegados, da Lava-Jato.

E ainda mais grave e até delituoso: determinaram que os que trabalham na força-tarefa,  não serão mais EXCLUSIVOS em Curitiba. Protestos do Brasil inteiro. Para sustentar essa anomalia, só apelando para a farsa  e a mentira. Sem constrangimento, afirmaram:" estamos dando mais poder á  "Força Tarefa". Espantosa a audácia da irresponsabilidade.  

TEMER AINDA FALA

Acontece tudo no Brasil de hoje. Principalmente em matéria de pronunciamentos. E o mais insistente e prolixo, que palavra, é o AINDA presidente. Não respeita o silencio dos cemitérios, é "o morto que fala".

E lógico, ninguém entende. Vou numerar para facilitar. E excluir as aspas. 1- Não existe crise econômica. 2- Tenho zero de preocupação com a Lava-Jato e a delação do Eduardo Cunha. 3- A minha confiança na lealdade do Maia é total. 4- Só penso no futuro político, a partir de 2018. 5- Não existe nenhuma possibilidade do PSDB abandonar o Governo.

Numa espécie de resposta a tudo isso, o Senador do PSDB, Cassio Cunha Lima, numa conversa com investidores, disse textualmente: "O Governo Temer acabou. No máximo dentro de 15 dias, o Brasil terá um novo Presidente".

VÔLEI MUNDIAL: O DÉCIMO TITULO  QUE NÂO VEIO

122 minutos dentro da quadra, uma eternidade fora dela. A França venceu na defesa (principalmente no inenarrável segundo set). O Brasil perdeu nas falhas do bloqueio, fragilíssimo. Ia ganhando na raça, e no sofrimento. Não só dos jogadores, mas também da torcida maravilhosa, que encheu a Arena da Baixada, quase toda de amarelo.

Depois de ganharem bem o primeiro set, o 25 a 15 do segundo, massacre. Os próprios jogadores visivelmente envergonhados, se abraçaram, se irmanaram, se emocionaram, perderam o terceiro por 25 a 23, ganharam o quarto muito bem. Entraram no tiebreak fazendo 7 a 4, a França passou e chegou aos 15 a 13 definitivos.

Nunca senti tanto uma derrota. A 1,34 da madrugada deste domingo, tudo acabou para o vôlei em 2017, fui dormir sem dormir. Mesmo com o espetáculo sensacional, nunca visto, mesmo nas grandes vitorias.

Sobrou emoção, que se transformou em comoção.







Nenhum comentário:

Postar um comentário