Editoria: Helio Fernandes. Subeditoria: Roberto Monteiro Pinho

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

TEMER, VERGONHA DE UMA NAÇÃO, SE JULGA UM VENCEDOR, ACREDITA QUE CONSOLIDOU O ROTEIRO E A AMBIÇÃO: 2018

HELIO FERNANDES

Manteve o poder, mas perdeu o pudor. Denunciado por corrupção, sua grande estratégia (?) de defesa foi explodir os recursos públicos, disseminando a mais espantosa e criminosa mobilização de corruptos- corruptores.

Pagou o preço pedido, não abandonou ninguém. Ruralistas, evangélicos, baixo clero, base partidária e partidos esfacelados, todos foram coordenados e cooptados, apesar de condenados. Pregando o fim das investigações para todos, acumulou um grupo enorme de adeptos, seduzidos pelo dinheiro e pela  a impunidade.

Apesar de toda essa farsa, conseguiu apenas 263 votos, poderiam chamar de desperdício perdulário devastador, se o dinheiro fosse dele. Mas mesmo com essa  exibição constatação corrupção, demonstrou toda a fragilidade. Dos 513 deputados, atraiu 263, 250 ficaram distantes. Não compareceram ou votaram contra. Assim mesmo a diferença foi de apenas 36 votos.

Foi beneficiado também pela inabilidade e incompetência da chamada oposição. De 9 da manhã até ás 10 da noite, 13 horas desperdiçadas, com o combate equivocado e que não atingiu os adversários. Deveriam ter concentrado a argumentação na ligação Temer-Joesley, e no encontro nos subterrâneos do palácio.

Apesar das gravações e das confissões de Temer, a oposição abandonou tudo isso. Deveriam ter passado a gravação com a fala criminosa de Temer, e cada um interpretando o que representava de ruinoso, depreciativo e pejorativo para o país. A ausência do povo nas ruas, antes, durante e depois, tão criticada, é a falta de confiança nos Três Poderes, "podres poderes ", desculpa Caetano.

"SOU O VENCEDOR"

A votação acabou 8 minutos antes das 10 e a fala do trono durou apenas 1 minuto: "Foi uma vitoria incontestável, agora aprovaremos as reformas". O combate será diferente, travado num campo muito maior, não apenas na Câmara. Faz parte do roteiro que Temer pretende seguir até 2018. Esta data, não apenas como fim de mandato, mas como reinicio de outro.

(Já escrevi aqui, logo depois da "vitoria" na CCJ, que Temer considerava a possibilidade de ser o primeiro Presidente a assumir com 80 anos"). Eu não adivinho nada, o Carlos Lacerda é que gostava de me provocar amistosamente, quando eu analisava fatos,antes deles acontecerem).

De qualquer maneira considero que a luta ainda não acabou. E que apesar da total falta de escrúpulos, caráter ou credibilidade, o tempo de Temer é IMPRORROGAVEL.
O DEM MUDARÀ NOVAMENTE DE NOME, CERTO DE QUE TEMER È ADVERSARIO E NÂO ALIADO

Começou com a sigla PFL, remanescente da ditadura pós 1979. Não deu certo, mudou para DEM, abreviação de Democrata. Conseguiu mais alguns deputados, mas sem prestigio. No ano passado descobriram Rodrigo Maia, no quinto mandato (o primeiro em 1998), inteiramente ignorado. 

Do nada passou a presidenciável, depois de se eleger de forma surpreendente, presidente da Câmara. Com 31 deputados, mas com um filiado citável, vai mudar de nome, esperando passar para 50 ou 60 deputados. Otimismo: em 2014 não disputou nenhum governo estadual. Agora admite concorrer no mínimo a 14.

O COBIÇADO 2018

Em plena crise econômica e política, e falta de caráter e de credibilidade total e absoluta, o numero de candidatos em 2018, cresce sem parar. Mas um candidato cada vez mais cogitável é o governador Alckmin. Está no Palácio Bandeirantes desde 1994, 23 anos.

Exclua-se o tempo em que ficou de fora, 2006, quando disputou a presidência da Republica. Voltou, mais 8 anos no Bandeirantes, considerava que sua vez seria 2014. Ultrapassado por Aécio Neves, que desde 1998 era um "jovem presidenciável", agora não tem rival no PSDB. Pode não se eleger, mas é um dos raros que tem legenda garantida.

(Sem falar no Lula, que partidariamente, não tem adversário no PT. Seu problema é com a justiça. Já tem uma condenação pelo triplex. Mas como escrevi no dia seguinte da condenação, o processo baseado no sitio de Atibaia, muito mais grave). 

SUPREMO-TEMER

Deputados da Rede  entraram com recurso contra Temer, no Supremo. Motivo: ele que se apregoa constitucionalista, devia sabe e sabe muito bem, que é inconstitucional aumentar impostos por decreto, o que ele fez com os combustíveis. Sorteada relatora, Rosa Weber deu 5 dias ao AINDA presidente, para explicar suas razões.

O prazo termina na próxima quarta feira. É gravíssimo, pois tem influencia sobre todos os preços.

TEMER NA PRIMEIRA INSTANCIA


A decisão constitucional dele responder na primeira instancia, pelos crimes cometidos agora, vai estimulá-lo e incentivá-lo a não deixar o governo.Aliás, escrevi que esse é exatamente seu objetivo. A votação acabou na quarta, quase 10 da noite. Imediatamente revelei sua intenção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário